Vilões da conta de luz: 5 equipamentos residenciais que consomem bastante energia

Publicado em de de

Uma das formas de fugir das altas contas de luz é investir na geração de energia solar com a Elysia

Não é novidade para ninguém a influência da pressão inflacionária sobre a conta de luz das residências brasileiras. Em 2021, por exemplo, quase 50% da inflação acumulada pelo IPCA/IBGE (principal índice inflacionário do país) partiram dos reajustes da energia e dos combustíveis. Soma-se a isso, o fato de o Brasil ostentar uma das maiores cargas tributárias do mundo incidente sobre a energia elétrica. Esse combo de fatores – e tantos outros mais – resultam em uma das contas de luz mais caras do mundo, de acordo com um dos últimos balanços feitos pela Agência Internacional de Energia – IEA (International Energy Agency).

Invista em energia solar e fique livre dos aumentos na conta de luz

Em 2021, o país sofreu uma das maiores crises hídricas de sua história, provocada pelo baixo volume de chuvas em regiões estratégicas para geração energética elétrica. No Brasil, esse fenômeno é fator decisivo para o aumento do custo de energia elétrica. Afinal, somos um país que depende da regularidade da chuva para suportar o consumo de energia elétrica, uma vez que as hidrelétricas são a principal base da matriz energética elétrica brasileira. Quando o volume pluvial diminui, portanto, acionam-se as termelétricas para dar conta da demanda, uma fonte energética poluente, ineficaz e muito cara. 

E o custo disso, é claro, chega aos consumidores de várias formas. Uma delas é sob o nome de bandeira tarifária. Você provavelmente já ouviu falar das bandeiras vermelhas, que incidem sobre a conta de luz quando há queda na oferta de energia e deixam

 a fatura ainda mais cara. Durante a pandemia, inclusive, a crise hídrica foi tão grave que foi criada uma nova bandeira tarifária, ainda mais cara, chamada de “Escassez Hídrica”.

Portanto, diante desta realidade, o que resta a muitos brasileiros é encontrar formas de economizar no consumo de energia para gastar menos na conta de luz. Por isso, selecionamos uma lista de vilões da conta de energia elétrica. São aqueles equipamentos que mais consomem energia e que cumprem um papel decisivo no custo final da conta de luz.

Antes da lista, uma observação importante: a quantidade de energia consumida por cada aparelho depende de sua potência. Dessa forma, o consumo pode variar de acordo com a marca, o tipo e o tamanho do equipamento. Além disso, o seu tempo de uso também é determinante. 

Por isso, nossa recomendação é sempre observar o selo Procel dos equipamentos.

Veja os 5 equipamentos residências que mais consomem energia elétrica:

Ar-condicionado

O maior vilão, sem dúvida. Claro que, quanto maior a potência do aparelho de ar-condicionado, maior será seu consumo energético. Portanto, é fundamental dimensionar (em BTUs) de forma correta a necessidade de climatização do seu ambiente. Desta forma, você irá adquirir um equipamento que atenda às necessidades do seu ambiente sem exigir mais ou menos consumo do seu aparelho.

Outra dica para economizar com ar-condicionado é, se possível, optar pelos aparelhos mais modernos, que contam com a tecnologia “inverter”. Com ela, você economiza até 60% de energia em comparação aos modelos convencionais, já que o compressor funciona constantemente, sem o “liga e desliga” dos aparelhos com a tecnologia convencional. 

Chuveiro elétrico

Bom, não há dúvidas de que no inverno – em especial, para quem mora nas regiões mais frias do país – o impacto do chuveiro elétrico na conta de luz fica mais visível. Há casos em que a elevação do custo chega a 25%, tamanha é a influência do chuveiro elétrico no gasto energético.

Para economizar, uma das alternativas é investir em um chuveiro de mais qualidade – sempre olhando para o selo Procel, como citamos anteriormente. Cuidar para não alongar o tempo de banho para além do necessário também é uma dica válida – afinal, não se trata somente de um aumento de custo, há também o impacto ambiental da medida, ao evitar o desperdício de água. 

Algo muito comum entre os consumidores é a troca dos chuveiros a gás pelos chuveiros elétricos, somados à instalação de um sistema fotovoltaico. Com o sistema, o consumidor não sentirá o aumento em sua conta de luz em consequência a ter realizado a troca, e ainda, terá reduzido a utilização de GLP ou GN em sua residência.

Fogão elétrico

Eles são bonitos e modernos, mas, infelizmente, são um dos vilões da conta de luz. Para economizar, além de optar por um aparelho econômico, tente cozinhar tudo de uma vez só – e não em parcelas. Isso porque, quando você liga o fogão elétrico, ele gasta bastante energia para chegar na temperatura ideal. 

Outra recomendação, seguindo a mesma lógica, é não ficar ligando e desligando o aparelho. Se possível, opte por cozinhar em uma temperatura um pouco mais baixa, isso exige menos gasto de energia do equipamento. Por fim – nunca, jamais – instale seu fogão ao lado da geladeira – afinal, o refrigerador expulsa o ar quente de dentro, uma vez que ela trabalha para gerar o ar frio. Ou seja, desta forma, o aumento de consumo será da própria geladeira.

Geladeira e freezer

São eletrodomésticos que consomem bastante energia, mas é possível diminuir esse peso com a adoção de algumas medidas. Por exemplo, cuidar do local de instalação: evite locais próximos a fontes de calor, seja o fogão, ou mesmo o sol – além de respeitar o espaço recomendado de distanciamento da parede a traseira do aparelho. Isso fará com que o ar quente dissipado do compressor circule livremente.

Evite guardar alimentos quentes dentro do eletrodoméstico, o que exige maior tempo de funcionamento do compressor para retirar o calor interno excedente. Sempre que possível, evite encher muito a geladeira. Para maior eficiência, é necessário que o ar circule pelo ambiente interno. 

Regule o termostato adequadamente, dependendo do modo de utilização, da quantidade de alimentos no interior do aparelho, assim como da estação do ano. Por fim, observe se a borracha está vedando normalmente. Uma dica é colocar um papel na porta – caso a folha saia sem restrição, há a necessidade de manutenção ou substituição da borracha.

Lava-louças

O modelo e tamanho do lava-louça importam. São fatores que interferem no gasto de energia elétrica e água. Portanto, na hora da compra, avalie as opções considerando a sua necessidade e volume de uso. Existem modelos que possuem ciclos de lavagem que utilizam apenas meia carga e fazem a limpeza com a mesma eficiência e removem todos os germes e bactérias. Além disso, priorize as marcas com selo Procel e Inmetro nível A, ou seja, mais econômicas e eficientes nos gastos.



ISSO PODE SER INTERESSANTE TAMBÉM:

ons prevê nivel baixo de reservatorios

Alerta do ONS: níveis das hidrelétricas no Brasil podem chegar a 36% até julho 

Continue lendo

, , ,

Desindustrialização brasileira atribuída ao aumento do custo de energia, afirma diretor da Aneel 

Continue lendo

Tendência de subsídios na ANEEL: energia renovável supera combustíveis fósseis na conta de luz brasileira 

Continue lendo
Empresa de Porto Alegre com energia fotovoltaica - Elysia energia solar Rio Grande do Sul

,

Trajetória de preços da energia solar mostra que 2023 é o ano ideal para investir

Continue lendo