Instalação de energia solar em supermercado de Porto Alegre

Como funciona o mercado de energia solar no Brasil?

Publicado em de de

Há duas principais formas de geração de energia solar no mercado brasileiro: Geração Centralizada e Geração Distribuída – entenda as diferenças

Embora a energia solar esteja em um acelerado processo de consolidação no Brasil, é sempre importante esclarecer alguns aspectos sobre o setor fotovoltaico. Muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre o funcionamento desta tecnologia sustentável e – talvez por causa desse desconhecimento – ainda tenham receio de investir na geração de energia fotovoltaica. 

Faça agora um orçamento gratuito de energia solar para o seu imóvel

Diante deste cenário, um dos papéis mais relevantes exercidos pela Elysia é produzir conteúdos relevantes e que sirvam como fonte confiável de informação para as pessoas. Afinal, uma das missões primordiais da empresa é difundir e espalhar conhecimento sobre a energia solar sob todos os aspectos – legais, técnicos, culturais e financeiros. 

Conheça o Renda Solar, uma forma de investir e ganhar dinheiro com energia solar

Dito isso, vamos entender de forma clara como funciona o mercado de energia solar no país? Basicamente, temos um mercado dividido em dois tipos de comercialização.

Geração Centralizada

Há duas principais formas de geração de energia solar no Brasil. Uma delas é a chamada geração centralizada, que normalmente se refere a grandes centros de energia solar. Por exemplo, são as grandes usinas solares, com alta capacidade de produção.

Essa energia é comercializada em duas frentes. Uma é diretamente com os clientes, em ambientes de contratação livre. Por exemplo, uma empresa que deseja contratar energia com uma usina de energia elétrica solar. Ela firma um acordo diretamente com essa usina.

É possível também comercializar esse tipo de energia em leilões regulados pelo governo federal. Nesse caso, então, é necessário seguir processo licitatório.

Geração Distribuída

A outra forma de geração de energia no país é a chamada geração distribuída. Trata-se de uma produção descentralizada de energia, baseada em geração de pequeno e médio porte.

É o caso, por exemplo, de casas abastecidas com painéis fotovoltaicos colocados sobre o telhado. Residências, empresas, prédios públicos e estabelecimentos rurais e comerciais podem ter pequenos sistemas de geração de energia elétrica solar.

Há cerca de 1,2 milhão de pontos de geração distribuída de energia solar no Brasil em 2022. Eles estão concentrados da seguinte forma, conforme a Absolar (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica):

– Residências representam 78,4% das conexões

– Estabelecimentos de comércio ou serviços representam 11,8% das conexões

– Consumidores rurais representam 7,7% das conexões

– Indústrias representam 1,7% das conexões

– Prédios públicos representam 0,3% das conexões

Dentro da Geração Distribuída, há o sistema de créditos

Na maior parte dos casos, aliás, essas pequenas estações ficam conectadas ao SIN (Sistema Interligado Nacional). Essas unidades produzem e consomem energia ao mesmo tempo. Quando a produção supera o consumo, então, esse excedente pode ser injetado no sistema nacional, ajudando a abastecer outros consumidores. A palavra usada para referir a essa mistura de produtor com consumidor é “prosumidor”.

Isso não significa que esses locais não consomem energia de outras fontes. Como não é possível gerar energia solar durante a noite, então os consumidores acabam usando, nesses momentos, energia que vem das distribuidoras, e que pode ter origem hidrelétrica, termelétrica ou de outra fonte.

Mas, se injetarem energia elétrica no sistema durante o dia, acabam sendo recompensados financeiramente por isso, via créditos junto à empresa distribuidora. Esses créditos podem ser abatidos do valor cobrado ao final do mês. Por isso, a conta de luz de quem tem painéis fotovoltaicos instalados pode ser bem menor do que a de quem só consome energia vindo das distribuidoras.



ISSO PODE SER INTERESSANTE TAMBÉM:

, , ,

Energia limpa: crescimento de 50% em 2023

Continue lendo
ons prevê nivel baixo de reservatorios

Alerta do ONS: níveis das hidrelétricas no Brasil podem chegar a 36% até julho 

Continue lendo

, ,

Recorde de demanda de energia: Sistema Interligado Nacional responde com eficiência e sustentabilidade 

Continue lendo

, , ,

Brasil já adicionou 2 GW de energia solar em 2024 

Continue lendo