Embarcação solar- Elysia energia fotovoltaico POA

Conheça a nova embarcação de baixo custo, movida a energia solar e feita de bambu

Publicado em de de

Projeto de embarcação desenvolvido por estúdio de design de Londres foi pensado para uso na Indonésia, mas pode ter espaço no Brasil

Um estúdio de design de Londres desenvolveu uma embarcação aquática de bambu, que combina tecnologias solares de ponta e um dos materiais naturais mais práticos da terra. O novo meio de transporte aquático é totalmente sustentável e de baixo custo, que oferece uma alternativa ecologicamente correta aos barcos a gasolina. Capaz de aproveitar a energia do sol para transportar até 15 pessoas ou cargas, o design simples e funcional de casco duplo é construído com materiais e processos locais, tornando-o um navio versátil e acessível, pronto para produção imediata.

O estúdio londrino, chamado Duffy London, projetou o barco predominantemente de bambu de rápido crescimento, um material naturalmente flutuante, amplamente disponível e barato. O bambu se auto-desenvolve rapidamente, com fibras e resinas 100% naturais combinadas para formar um material de construção forte que possui propriedades estruturais semelhantes às modernas fibras de vidro e compostos de fibra de carbono.

A embarcação funciona usando um único motor elétrico movido a energia solar, que tem capacidade de até 60 cavalos de força. “Acreditamos firmemente que uma embarcação feita de 98% de bambu, 2% solar e tecnologia de bateria não apenas resistirá às embarcações modernas, mas de muitas maneiras pode superá-las”, diz Chris Duffy, fundador do estúdio. ‘Por que usar materiais caros e prejudiciais ao meio ambiente que, em muitos aspectos, não atendem aos padrões de qualidade e integridade estrutural do bambu, quando temos um suprimento quase ilimitado e barato desse material à nossa porta?’

Pegada de carbono da embarcação seria totalmente paga em seis meses

O projeto nasceu de uma colaboração de design entre o estúdio com sede em Londres e um novo hotel na Indonésia. Como a Indonésia é o maior país insular do mundo, as embarcações são um meio essencial de apoiar as economias locais e conectar as comunidades. Atualmente, a grande maioria dos pequenos barcos na Indonésia e em todo o mundo ainda são movidos a combustível fóssil. Os baixos custos de manutenção e os custos operacionais quase nulos do novo barco oferecem aos clientes em potencial uma alternativa limpa e viável. A pegada de carbono esperada da embarcação seria totalmente paga dentro de seis meses de uso.

Em um esforço para superar os custos iniciais nos países em desenvolvimento, o estúdio propõe uma cadeia de suprimentos sem fins lucrativos para permitir que os proprietários de negócios comprem a embarcação com uma baixa taxa de juros, que abrange vários anos. “Nossa visão para este projeto é que ele iria para um sistema de produção em massa simplificado e ecologicamente correto”, explica duffy. “ao substituir muitas embarcações a gasolina de tamanho e uso semelhantes, poderíamos criar uma organização sem fins lucrativos para permitir que as embarcações fossem compradas a uma taxa de juros extremamente baixa, inferior ao custo mensal do combustível, para pagar o aumento.”

Embora a embarcação tenha sido inicialmente concebida para as comunidades insulares da Indonésia, ela pode ser usada em qualquer lugar com quantidade suficiente de luz solar e – com os avanços contínuos na tecnologia solar – sua aplicação não tem limites. A nova embarcação fornece uma visão clara para seu uso futuro, apoiando viagens em ambientes rurais e urbanos em todo o mundo.



ISSO PODE SER INTERESSANTE TAMBÉM:

Embarcação solar- Elysia energia fotovoltaico POA

,

Conheça a nova embarcação de baixo custo, movida a energia solar e feita de bambu

Continue lendo
Google - Elysia energia solar Porto Alegre

,

Google anuncia plano para operar somente com energia livre de carbono até 2030

Continue lendo

,

Paraquedista faz primeiro salto do mundo de um avião movido a energia solar

Continue lendo
Economia verde - Elysia sistema fotovoltaico RS

,

Como uma economia verde pode aumentar o PIB e criar empregos?

Continue lendo